Movimentando 165
NÚMERO 167-MAIO 2020

Matéria 05 de 08

INOVAÇÕES NA MOBILIDADE URBANA

Como parceiro institucional, Instituto MDT acompanhou a realização dos debates virtuais que marcaram o primeiro aniversário do programa Coletivo

No dia 7 de maio de 2020, completou um ano de atividades o programa Coletivo de inovação, criado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) e que congrega empresas operadoras do transporte urbano por ônibus no Brasil. O Instituto MDT participa desde o início desse programa. Para evidenciar o aniversário, a NTU promoveu na tarde do próprio dia 7 de maio diversas videoconferências com especialistas e representantes de empresas envolvidos com o programa. O objetivo foi mostrar resultados do Coletivo e debater temas relacionados com a situação do transporte coletivo diante da pandemia de coronavírus. A íntegra da programação pode ser vista por meio de link ao final desta matéria

O Instituto MDT participa desde o início do programa Coletivo de inovação, criado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que congrega empresas operadoras do transporte urbano por ônibus no Brasil. No dia 7 de maio de 2020 o programa Coletivo completou um ano de atividades.

Para evidenciar o aniversário, a NTU promoveu na tarde do próprio dia 7 de maio diversas videoconferências com especialistas e representantes de empresas envolvidos com o programa. O objetivo foi mostrar resultados do Coletivo e debater temas relacionados com a situação do transporte coletivo diante da pandemia de coronavírus. A íntegra da programação pode ser vista por meio de link ao final desta matéria.

O presidente do Instituto MDT, Getúlio Vargas parabenizou a NTU pelo aniversário. Ele lembrou que o Instituto MDT se insere entre os parceiros institucionais do programa Coletivo, ao lado da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (ANPET) e Instituto de Pesquisa WRI. Entre os parceiros de conteúdo do programa Coletivo estão empresas como a Cittati e a ITTS Digital e figuram entre parceiros patrocinadores, organizações como Mercedes-Benz e a Praxio.

Membro do Conselho Diretor do Instituto MDT, o empresário de transporte coletivo por ônibus em Goiânia e Brasília Edmundo Pinheiro é presidente do Conselho de Inovação da NTU, que coordena o desenvolvimento do programa Coletivo. Ele participou do evento virtual, destacando a importância da iniciativa.

FOMENTAR A EVOLUÇÃO

O presidente da NTU, Otávio Cunha salientou no encontro virtual do dia 7 de maio que o programa Coletivo foi criado para fomentar a evolução do transporte público coletivo, visando à mobilidade sustentável nas cidades, o desenvolvimento das pessoas e da qualidade de vida.

Ele disse que o programa busca soluções para o transporte público coletivo, tendo em vista o fato de que, de modo geral, as soluções de tecnológicas inovadoras que surgem são voltadas para o transporte individual. “O programa Coletivo vem preencher essa lacuna. É uma iniciativa dos empresários do setor para buscar alternativas para esta crise que nós estamos vivendo”.

Segundo o dirigente, desde o lançamento do desse programa houve uma adesão significativa de todos os representantes do transporte público no Brasil, incluídos a indústria, os operadores dos serviços e entidades. “A própria academia recepcionou muito bem essa ideia e tem ajudado a levar a iniciativa adiante”.

Otávio Cunha sumarizou as principais ações do programa Coletivo, de modo a mostrar o êxito de cada etapa. Disse que inicialmente foi estruturado um plano estratégico que resultou no lançamento do programa no dia 7 de maio de 2019. Depois houve o engajamento de um número considerável de atores do setor, por meio de eventos, como o primeiro Desafio do Coletivo, que selecionou duas ‘startups’ para a fase de pré-incubação da qual participam no momento.

“Além disso, realizamos o Fórum de Parceiros e atraímos novos patrocinadores”, disse, acrescentando que também foi preparado um conjunto de atividades para o ano de 2020, as quais vêm acontecendo, mesmo considerando as limitações trazidas pela pandemia.

AS ‘STARTUPS’

O presidente Otávio Cunha lembrou que as duas ‘startups’ que estão na fase de pré-incubação do programa Coletivo estão desenvolvendo projetos que podem contribuir para esse momento de enfrentamento ao Covid-19.

O Grupo Areja é uma ‘startup’ criada na cidade de Salvador, no estado brasileiro da Bahia, que está desenvolvendo uma solução de ventilação ecológica para ônibus, que utiliza o movimento do veículo. É uma solução alternativa ao ar condicionado comum que visa solucionar um problema sério para muitos passageiros: o conforto térmico dentro do ônibus.

Segundo o líder da NTU, este é um sistema inteligente de circulação de ar que combina ventilação natural e artificial. Ele ressaltou que, neste momento de pandemia, quando há necessidade de distância e entre pessoas, a ventilação nos ônibus pode ser um fator efetivo. Ele acrescentou que, embora o projeto não tenha sido projetado para as condições encontradas nessa pandemia, ele é perfeitamente ajustado às necessidades do momento e contribui para reduzir o risco de propagação do vírus.

O On.I-Bus é uma ‘startup’ criada em Brasília, capital nacional do Brasil, e seu projeto é voltado para o transporte sob demanda. A solução busca um sistema complementar de transporte público, que permita ao passageiro ter mais poder para decidir sobre suas viagens, além de melhorar a eficiência da operação de transporte.

A ‘startup’ está trabalhando na idéia de software para transporte sob demanda, que, na opinião de Otávio Cunha, significa inovação para reduzir custos e aumentar a renda e o tempo de viagem.

O líder da NTU acrescenta que, no contexto da pandemia de Covid-19, também pode colaborar porque é uma tecnologia que pode ser perfeitamente usada para estabelecer serviços específicos relacionados à luta contra o coronavírus, como o transporte de profissionais de saúde em rotas especificamente projetadas.

Voltar